terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Aceita um cafezinho?

Hoje vamos falar um pouco sobre as formas de extrair, servir e saborear um café especial. Elaboramos especialmente para vocês uma lista de opções que vão além do espresso.
Nossa intenção não é impor padrões para que o café seja saboreado, pois acreditamos que o momento, o paladar de cada um e claro, a companhia é que fazem toda a diferença!
Seguem algumas dicas para que a sua experiência de sabor com o café seja agradável, surpreendente....deliciosa!
Para este post  conversamos com a empreendedora e barista Cristina Maulaz, da Cafeteria "O Armazém Café", um dos atrativos da Rota do Café, em Londrina.


CAFÉ COADO
Nuances de Sabor: mais delicado, pois a concentração dos óleos essenciais do café é menor, em função do coador. A forma mais popular e que tem mais adeptos no Brasil!
Moagem: fina                                                                     
Torra: mais escura
*cuidado: torras muito escuras podem esconder defeitos de grãos de baixa qualidade.

Dicas
- Receita básica: 1 colher de sobremesa para cada xícara de café, o açúcar é conforme o gosto de cada um;
- Nunca deixe a água ferver, use de preferência água mineral;
- Molhe um pouco o coador antes de colocar o pó;
- Ao coar, derrame a água em espiral, devagar, aos poucos...para assim aproveitar todos os óleos essenciais do café.

Valor médio por xícara: R$ 3,50
*Referência O Armazém Café.

SIFÃO OU GLOBINHO (SYPHON)
Nuances de Sabor: seu sabor é delicado e a bebida sai bem quente. Muito charmoso, pois envolve um ritual, um verdadeiro convite para partilhar com pessoas queridas!
É a forma de extração “pop” do momento, bastante recente no Brasil, embora seja um hábito em outros países, como no Japão por exemplo.
É um método a vácuo, foi desenvolvido por um engenheiro naval escocês.
Moagem: média para fina (como do expresso)
Torra: média

Dica- Quando a água começar a “levantar”, retire o fogo.

Valor médio da “porção”: R$ 12,50, serve 2 xícaras de 120ml.
*Referência O Armazém Café.

PRENSA FRANCESA (FRENCH PRESS)
Nuances de Sabor: como fica muito em contato com a água, é a bebida que tem maior teor de cafeína. É mais denso, encorpado e ressalta bastante os aromas do café.
Moagem: grossa
Torra: média alta

Dica- não demore muito para pressionar, de 1 a 2 minutos.

Valor médio por xícara: R$ 3,50
*Referência O Armazém Café.
ESPRESSO
Nuances de Sabor: o café mais apreciado pelos italianos...É um café mais forte, encorpado, pois a máquina de espresso extrai com alta pressão muito do grão de café, em pouco tempo. Isso faz com que  o café tenha cremosidade, devido à condensação dos óleos essenciais, ressaltando todo o sabor do grão. É preciso utilizar um café de boa qualidade, caso contrário os “defeitos” irão aparecer na xícara.
Moagem: média para fina
Torra: média

Dica- Nunca aceite um espresso sem creme!

Valor médio por xícara: R$ 3,50
*Referência O Armazém Café.

AEROPRESS
Nuances de Sabor: Sabor agradável e levíssimo. Foi desenvolvida pelos americanos, que preferem um café mais diluído.
A quantidade de água equivale a 4 vezes mais a utilizada em um café espresso, para o mesmo tanto de pó (10 gr). É passado sob uma pressão considerável.
Moagem: media grossa
Torra: média clara

Dica- a temperatura da água tem que ser mais baixa que a do café coado.

Valor médio  por xícara: R$ 5,50
*Referência O Armazém Café.


MOKA ITALIANA
Nuances de Sabor: das extrações domésticas é a mais se assemelha ao café espresso, porém é mais quente. O sabor dos óleos essenciais é mais acentuado.
Moagem: média para grossa, pois a água não pode ter muita resistência ao passar pelo pó. Caso contrário, se a moagem for muito fina, a água encontrará dificuldade para passar no pó, com a água fervente, pode-se ter um café queimado, muito amargo.
Torra: média

Dicas- na parte superior da moka, onde o café cai pronto, coloque um pouquinho de água, pois quando o café cai o metal está muito quente, assim evita-se que o café “queime”.
- A moka deve ser colocada em fogo baixo. Não deixe muito tempo no fogo.

Valor médio por xícara: R$ 3,50
*Referência O Armazém Café.

IBRIK (DZEZVA ou CEZVE) 
De origem árabe, mais conhecido como “café turco”, este foi o primeiro método de preparado com o café torrado. Mesmo surgindo outros métodos de extração, a utilização do café torrado é perpetuada até os dias de hoje.
A água é fervida, misturada com o açúcar e com o pó de café torrado. Após ferver três vezes a bebida é saboreada com a borra.
O café é denso, a moagem é a mais fina de todos os métodos. Até parece um talco.
Poucas cafeterias servem o “café turco” atualmente, mas não poderíamos deixar de contar um pouco mais dos primórdios do hábito de apreciar um bom café!

O Armazém Café, fica na Av. Higienópolis, 602, loja 12 (esquina com a rua Goiás), em Londrina.
Contato: 43 3324 8889 / oarmazem@sercomtel.com.br

E não esqueça de pedir um café de origem norte paranaense, há opções especiais!!
terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Noticias da Fazenda Palmeira

A Sra. Cornélia  Gamerschlag, da Fazenda Palmeira, de Santa Mariana, compartilhou conosco uma das etapas mais importantes do cultivo cafeeiro...

Mudas no viveiro de café, nosso bercário

“Estamos num período importante na nossa atividade que é a implantação de uma lavoura nova de café. Aproveitamos a época chuvosa para caprichar o máximo no plantio, o que determinará a produtividade deste talhão nos próximos 12-15 anos. Este trabalho exige muita dedicação e esforço físico dos nossos colaboradores”.

 “Para a semana que vem temos mais novidades, pois testaremos uma máquina de plantar café. Mandarei fotos e minhas impressões..."
Cornélia Gamerschlag

A Rota do Café é o assunto do mês de fevereiro em sete aeroportos no Brasil!

               

A revista Aeroporto Jornal elaborou uma matéria pra lá de especial, contando um pouco dO que pode ser visto e experimentado na Rota do Café.
No Paraná são cinco aeroportos, em Cascavel, Curitiba/São José dos Pinhais, Foz do Iguaçu, Guarapuava e Maringá. Em Santa Catarina são 2 aeroportos, em Chapecó e Joinville.  São 22.968 pessoas por dia e mais de 680 mil pessoas ao mês circulando ao total em todos estes aeroportos.

 

A Rota do Café agradece imensamente a Revista Aeroporto Jornal pela oportunidade!
terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Empreendedores do Caminho do Vinho visitam a Rota do Café

Em janeiro/2011 o grupo de empreendedores visitou alguns empreendimentos da Rota do Café. Com o objetivo de trocar experiências e descansar durante as férias o grupo aproveitou muito os quatro dias de "imersão" na Rota do Café.
A guia do grupo e também empreendedora do Caminho do Vinho, Rosana Juliatto Pissaia, disse que
"Os dias foram perfeitos, todos estavam encantados com o atendimento e a estrutura dos locais, e sobretudo com a força das pessoas que estavam a frente dos atrativos".
Umas das empreendedoras que recebeu o grupo, Sra. Cornélia, da Fazenda Palmeira, ressaltou a importância de momentos em que as pessoas partilham experiências, novas idéias e assim, tornam possível o aprendizado com os acertos e erros.
Registramos o nosso agradecimento ao grupo do Caminho do Vinho, da Colônia Mergulhão de São José dos Pinhais/PR, pela oportunidade de tê-los recebido em nossa região.
Serão sempre bem vindos para um cafezinho!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

PANORAMA DO TURISMO RURAL NO BRASIL

“O Brasil do Turismo Rural do século XXI vive uma grande transformação, procurando criar uma identidade turística profissional, moderna sem perder a ruralidade”.

A pesquisa realizada pelo SEBRAE em parceria com a PRB Consultores Associados e o Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural – Idestur, teve como objetivo conhecer o empreendedor e o universo da atividade no Brasil em 2010. Revelou que o Turismo Rural cresce aproximadamente 30% ao ano e que no ranking mundial, o Brasil ocupa a quarta posição no segmento, perdendo apenas para Espanha, Portugal e Argentina. Segundo a Organização Mundial do Turismo, o crescimento internacional do setor é de 6% ao ano e pelo menos 3% dos turistas do mundo direcionam suas viagens para destinos rurais.

Destacamos algumas informações relevantes da pesquisa:

Os  empresários envolvidos com o turismo rural são empreendedores rurais e/ou administradores que atuam diretamente nos empreendimentos de Turismo Rural, porém há uma nova parcela de empresários envolvidos com a atividade, são as Agências Receptivas e Operadoras também representantes dos negócios.

43%, a grande maioria do empresariado participante do Turismo Rural  na atualidade, encontra-se na atividade entre 5 a 10 anos, retratando  que o turismo rural está em um novo estágio, a fase de consolidação empresarial.

A pesquisa destacou que a atividade empresarial exige do proprietário rural, prestador dos serviços turísticos, posicionamentos de mercado e postura empresarial própria. Mudanças e inovações são necessárias para o fortalecimento das ações de comercialização focada em resultados consistentes para o Turismo Rural.

Os aspectos positivos mais citados: Questões culturais, Agregação de valores, Contato com a natureza e a Receptividade, reforçando a identidade do Turismo Rural Brasileiro.

Experiências ofertadas pelos empreendimentos: A maioria dos entrevistados acredita poder atender as principais expectativas dos turistas, principalmente nas vivências rurais associada às questões culturais e da natureza, aliadas a ambientes com atendimento típico da simplicidade do campo.

Origem dos clientes: a maioria dos turistas é da região e do próprio Estado onde está localizado o atrativo turístico.

Os desafios para os próximos anos são: o fortalecimento, a valorização da atividade e a promoção do desenvolvimento sustentável dos territórios onde os empreendimentos estão inseridos. E ainda, o amadurecimento do relacionamento comercial com operadoras.

"A visão empreendedora, a criatividade, o empenho familiar e o desejo de sobrevivência com dignidade no campo superam as dificuldades iniciais de qualquer novo negócio".



Notícias

Vídeo

Seguidores